quarta-feira, 9 de março de 2016

INCONFORMISMO COM A CORRUPÇÃO NO BRASIL

“O peso que viu o profeta Habacuque. Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! e não salvarás? Por que razão me mostras a iniquidade, e me fazes ver a opressão? Pois que a destruição e a violência estão diante de mim, havendo também quem suscite a contenda e o litígio. Por esta causa a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta; porque o ímpio cerca o justo, e a justiça se  manifesta distorcida.” (Habacuque 1.1-4); “Então o Senhor me respondeu, e disse:  Escreve a visão e torna-a bem legível sobre tábuas, para que a possa ler quem passa correndo. Porque a visão é ainda para o tempo determinado, mas se apressa para o fim, e não enganará; se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará.” (Habacuque 2.2,3)

Habacuque, um profeta menor (escreveu, apenas, 03 capítulos), escreveu esse livro um pouco antes da queda de Nínive (612 a.C.) ou do cerco a Jerusalém pelos caldeus (605 a.C), inconformado com a sociedade de seus dias. Cansado de ver sua nação sofrer consequências da corrupção e distanciamento de Deus, decidiu pedir socorro ao Senhor. O problema daqueles dias era o enfraquecimento da lei, distorção do direito e a iniquidade instalada pela repetitividade do pecado. Deus lhe respondeu dizendo que haveria um tempo de espera, mas o dia da bênção chegaria.   Naqueles dias, o povo era temente a Deus, mas havia uma grande distância entre a fé declarada e a fé praticada. Qualquer semelhança com o Momento Brasil de hoje não pode ser chamado de mera coincidência.

O Momento Brasil de nossos dias não traz surpresas, diria “o realista”, pois, há décadas, desenha-se um lastro de falcatruas no comportamento da Sociedade Brasileira que tem se tornado um pesadelo para as pessoas de bem. O instituto da corrupção, cada vez mais audacioso, passou a integrar o sistema de funcionalidade da vida pública e privada neste país. Mas, parece que está havendo um despertamento de duma consciência de mudança comportamental de todos, políticos ou não.

O diagnóstico do sistema da corrupção é revoltante e decepcionante. Mas, pior que revolta e a decepção é a inércia, acomodação ou conformismo com todo esse lamaçal público e notório. Se não fizermos como Habacuque; se não  clamarmos a Deus contra a corrupção do gênero humano, estaremos contribuindo para que a nova geração seja ainda pior que a atual em termos comportamentais. Habacuque perguntou a Deus: até quando? O inconformismo dava pressa ao clamor por mudança.

Hoje, vemos o mesmo que Habacuque. Nossa leitura do desgoverno e da corrupção impregnada nos poderes e na Sociedade, nos leva a entender que é momento de clamar pelo Brasil e de testemunhar do poder restaurador que só o nome de Jesus poder operar.

É necessário exigir que todos os governantes, na extensão e profundidade do cargo que ocupam, cumpram sua função de promover o fim social para o qual foram eleitos ou constituídos. Chega de mentira, de vantagem pessoal indevida, de enriquecimento ilícito. O povo, além de não suportar mais isso, percebe que está contaminado pela “lei de sobrevivência” do jeitinho brasileiro de solucionar suas causas simples ou complexas. Não dá mais. Basta! Dizem as vozes das ruas.

Nessa linha, devido a tão acentuado grau de corrupção, que não tem cor e bandeira partidária, apesar dos destaques estarrecedores dos nossos dias, concluímos que a solução não está no sistema econômico ou ideologia política, mas exclusivamente na conversão genuína a Jesus Cristo. Aí, destaca-se o papel da igreja de Jesus Cristo.

Nosso compromisso com Jesus nos constrange a repelir a mentira, por menos mal que aparente. Devemos repudiar o maléfico jeitinho brasileiro de resolver as pendências por meio de propinas. Precisamos ser zelosos no testemunho de nossa fé e viver com alegria, e responsabilidade social, a materialidade de Cristo em nós, a fim de que a Sociedade veja Cristo em nós. É nossa colaboração maior nesse momento Brasil.

Finalmente, nesse Momento Brasil, que sejamos mais missionários fazedores de discípulos, a começar dentro de nossa própria casa; que alcancemos os que estão à nossa volta, mais do que com palavras; que compreendamos que o testemunho sempre fala mais alto, mas, também, tenhamos consciência de que as palavras, quando forem ditas, devem  ser benditas e coerentes com o viver em Cristo.

O Momento Brasil é muito difícil, mas é quando a nação mais precisa da igreja. Que estejamos em oração e corajosamente “despertados do meio dos que ainda dormem”. Isso mesmo, clamor, ousadia, coragem e fidelidade no testemunho.

O Momento Brasil precisa da igreja de Cristo. Nós somos a igreja e temos a solução em Cristo. Mas, lembremo-nos que a nossa autoridade moral e espiritual só surtirá efeito se estivermos incluídos no agir de Deus.  

Um comentário: